A Síndrome dos ex-bbbs

Image

Recebi um sms convidando para o velório da fulana de tal. Na hora fiquei imóvel, em choque. Principalmente porque eu não lembrava da fulana de tal. Pelejei, pelejei, pelejei e não consegui lembrar. E agora, ela partiu dessa pra “melhor” e eu nem sei se gostava dela ou não, se era gorda ou magra, se era uma boa pessoa ou não. Simplesmente não me lembro dela. Mas tudo isso não importa mais, porque ela não está mais entre nós. E de alguma forma acho que nunca esteve.

Não sei se recebi esse sms por engano. Mas por que diabos meu número estaria gravado na agenda telefônica do celular dela? Ninguém salva o número da outra pessoa sem conhecê-la. E se ela me conhece, eu devo conhecê-la. Sinto como se tivesse que ir ao velório. Pelo menos pra dar uma olhadinha discreta no caixão e tirar a dúvida: “ahh, é fulana que sentava atrás de mim na aula de religião” ou “fiz um curso de informática com ela na Microlins”. Qualquer pista ou amigos-em-comum servia. Mas não, não consegui lembrar de nada.

De certa forma, esse sms me fez lembrar dos ex-bbbs. Sim, eu também tenho medo de minha contribuição aqui na terra ser pequena demais ou indiferente demais. Faça o teste: quem se lembra da Antonella, do Buba ou da Inês? Ninguém. Agora se perguntarem sobre o Alemão, o Dourado ou a Fani, a gente diz com facilidade se gostava ou detestava. Alguma coisa a gente lembra. Pior do que ser odiada é não ser lembrada. Se a gente não despertar algum sentimento, seja ele ódio, raiva, amor ou paz, a gente corre o risco de ser um pessoa café-com-leite.

E pessoas que nem-fedem-nem-cheiram são facilmente esquecidas. Simplesmente porque elas nem fedem. Nem cheiram. São indiferentes. Tem um trecho do livro A culpa é das estrelas em que perguntam para um garotinho com câncer qual é o seu maior medo. E ele responde: tenho medo de ser esquecido.

 (Texto dedicado à pessoa do sms que se foi, seja ela quem for)

Advertisements

2 thoughts on “A Síndrome dos ex-bbbs

  1. Esse desfecho é o típico momento em que você solta aquele “GLUP” (que a gente sempre lê em HQs e nunca acha que vai usar na vida real, né?), hehehe Dá um nó na garganta de verdade! :)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s